Google Analytics

Google Analytics – A inteligência do seu negócio

Você sabia que todo o visitante do seu site conta uma história?

Toda a história possui um personagem que atravessa uma jornada com início, meio e fim. E é exatamente isso o que acontece com um visitante no seu site. Ele entra, passa por uma série de eventos e sai.

Cada visitante é único e cria a sua própria história. Porém, quando estamos recebendo muitos visitantes, vamos começar a perceber que os comportamentos seguem alguns padrões.

Alguns entram e logo saem, outros entram, navegam por todas as páginas e saem, outros entram, olham alguns produtos e compram e por aí adiante.

Então, apresento pra você o maior contador de história do seu site.

O Google Analytics

Eu sei, você deve ter pensado naquela ferramenta cheia de números e gráficos né? 

Normal isso. O Google Analytics transforma visitas em números e números em histórias. 

Acredite, essa ferramenta pode ajudar muito você a entender os seus visitantes e aumentar o sucesso da sua comunicação, suas campanhas e seu site.

Pra começar, precisamos conhecer um pouco mais sobre os nossos personagens (ou visitantes). Então, no Google Analytics vamos descobrir o gênero, a idade, onde eles estão localizados geograficamente, qual o dispositivo estão usando, se é um novo visitante ou já visitou anteriormente, quais seus interesses e etc.

Já temos o personagem? Precisamos saber onde essa história começa. É aqui que vamos descobrir de onde esse visitante veio. O Google Analytics nos mostra se a visita veio pelo Instagram, Facebook, Linkedin, Google, e-mail marketing, etc

E quando ele entrou, qual foi a primeira página que ele viu? Aqui começamos a entender qual o interesse inicial dele.

Com o desenrolar da visita vamos saber quantas páginas visitou, quais páginas visitou, quanto tempo ficou no site, se é a primeira visita ou não. 

Também podemos saber se viu um vídeo, fez algum download, comentou em algum artigo, preencheu um formulário de contato, adicionou um produto ao carrinho, fez alguma compra, etc. Depois vamos falar mais sobre isso.

Até que a história chega ao fim. O visitante fecha o nosso site. Não sem antes nos informar qual a última página ele visitou.

Aí vem a grande pergunta. Essa história teve um final feliz? Só vamos descobrir isso se medirmos as conversões.

Medindo as conversões no Google Analytics

Essa é, na minha opinião, uma das configurações mais importantes do Google Analytics.

Todo o site precisa ter um objetivo. Seja uma compra, um contato, a leitura de artigos, inscrição em um evento, etc. Sabendo e medindo o objetivo podemos saber se o site está de acordo ou não.

Se o objetivo do nosso site é uma compra, nós vamos configurar a ferramenta para “marcar” quando um visitante atingiu esse objetivo. 

Medir conversão vai muito além do que só saber a quantidade de conversões. Através delas conseguimos entender quais comportamentos nossos visitantes tiveram entre a entrada no site e a conclusão do objetivo.

Podemos começar entendendo quais os canais mais tem conversão. Que tal investir mais nesses canais? Ou então saber quais páginas foram visitadas até a conversão. Se alguma página se destaca, podemos avaliar o que tem nela e como podemos usar isso em outras páginas.

Podemos ir um pouco além quando começamos a questionar se alguns ativos do nosso site auxiliam na conversão. 

Por exemplo, você investiu um bom dinheiro para fazer um vídeo persuasivo da sua empresa ou produto e colocou ele no topo do site. E a pergunta que fica é: Quem vê esse vídeo tem mais probabilidade de fazer uma conversão?

Até agora procuramos somente o que auxilia nas conversões.

Mas pense naqueles itens que acabam jogando contra o objetivo do site. E se a maioria das pessoas que veem o vídeo no topo da home não convertem e a maioria dos que não veem convertem? Será que esse vídeo não pode ser um problema?

Você consegue saber, a partir das conversões, o que ajuda e o que atrapalha os visitantes para fazerem uma conversão. 

E quanto mais gente entra no site, mais rápido conseguimos identificar os bons caminhos ou aqueles que precisamos otimizar. 

Medindo comportamentos no site

Já comentei anteriormente sobre os eventos e agora vou explicar um pouco mais como isso funciona.

Antes de mais precisamos entender como o Google Analytics funciona. Você instala um código em todas as páginas do site e a partir desse momento o Google Analytics começa a receber os dados do seu site.

Porém, o Google Analytics não conhece o seu site. E cada site tem suas peculiaridades. Então, na configuração inicial são capturadas apenas informações padrões de todos os sites.

Quando queremos nos aprofundar e entender o comportamento de cada visitante e se esses comportamentos ajudam ou atrapalham, precisamos enviar detalhes de cada evento ao Analytics.

Com isso nós começamos a construir uma configuração que vai nos dar respostas sobre os comportamentos.

Eventos no Google Analytics

Os eventos são detalhes que nós definimos no site que são importantes pra nós medirmos.

Falamos anteriormente sobre o vídeo no topo do site. Com os eventos começamos a identificar as pessoas que dão o play nesse vídeo, quanto assistem, se param e voltam a assistir ou assistem tudo até o fim, quantos assistem até o fim e quantos não.

E desses que assistiram, quantos fizeram uma conversão? E quantos que não assistiram fizeram uma conversão? Esse vídeo está sendo importante?

Você entende agora que cada ativo do seu site pode ser medido? E que podemos, através dos eventos, descobrir o que funciona melhor e o que não funciona?

Vou exemplificar aqui alguns eventos que podemos medir no site:

  • Vídeo: Já exemplifiquei acima, mas a ideia é entender se o vídeo ajuda ou não no processo de navegação
  • Download: Entender quais arquivos são mais baixados e se eles realmente são úteis.
  • Formulário: Podemos saber se alguém clicou no formulário do site, preencheu algum campo e desistiu ou preencheu tudo.
  • Cliques: Podemos configurar para monitorar cliques em alguns links. Por exemplo Cliques no botão do Whatsapp como falamos em outro artigo.
  • Visualizou ativo: Podemos medir se alguém viu um banner ou nossa área de depoimentos por exemplo.
  • Scroll de página: Podemos medir quanto as pessoas leem de nossas páginas ou até onde elas rolam a página.
  • Tempo de navegação: Podemos definir eventos para enviar ao Analytics com o tempo que ela já está navegando.

Esses foram alguns exemplos. Existem muitos outros. Depois que você começa a entender o que pode fazer, o “céu é o limite” em se tratando de eventos e as consequências desses eventos para a conversão.

Faça as perguntas certas

Tentador querer instalar todos os eventos e medir tudo né?

Porém existem alguns problemas. Um deles são as limitações que o Analytics tem. Dependendo da quantidade de visitas que você tem, você pode não conseguir armazenar tudo.

Porém, a prioridade é definir o que é mais importante e criar os eventos a partir disso.

Aí sim entramos no Analytics e “fazemos as perguntas pra ele”. Podemos perguntar se as pessoas que visualizam o vídeo do topo convertem mais do que as que não visualizam. Só isso já nos dá um relatório.

Porém, podemos avançar mais. As pessoas que vem do Google e visualizam o vídeo convertem mais?

As pessoas que vem do Google, passam mais do que 1 minutos no site e visualizam o vídeo convertem mais?

Você percebe que as perguntas vão ficando mais complexas? Então, antes de sair colocando todos os eventos possíveis, analise o que é mais importante para que fique fácil criar os relatório e trabalhar com seu site para que ele venda mais sem precisar gastar mais em tráfego.

Autor

Mauro Pedrini

Um nerd apaixonado por negócios.
Meu foco é aumentar as vendas e o tamanho das empresas usando as ferramentas que a internet oferece.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *